Comissão de Residência Médica – COREME

Veja mais clicando nos títulos abaixo:

Apresentação

O Instituto de Cardiologia do Estado de São Paulo, hoje Instituto Dante Pazzanese de Cardiologia, foi criado pela lei nº 2552, em 13 de janeiro de 1954, pelo Governador Lucas de Nogueira Garcez. Em 1959, por iniciativa de seu fundador, foi constituída a Residência Médica em Cardiologia, sendo a primeira desta modalidade no país e contando na época com apenas seis residentes na área de Cardiologia Clínica.
Atualmente, temos credenciados pela Comissão Nacional de Residência Médica (CNRM), para o IDPC três programas de Residência na área Cardiovascular: Cardiologia Clínica – 66 vagas, Cirurgia Cardiovascular – 8 vagas e Cirurgia Vascular – 4 vagas; e 68 nas áreas de atuação específica (R3) como: Ecocardiografia – 15 vagas, Eletrofisiologia Clínica Invasiva – 12 vagas, Ergometria – 10 vagas, Hemodinâmica – 13 vagas, Cardiologia Pediátrica – 12 vagas, Cirurgia Endovascular – 4 vagas e Transplante Cardíaco – 2 vagas, sendo o acesso obtido por meio de concurso público.
Esses Programas iniciam-se agora, no primeiro dia útil de março de cada ano, com duração de 2 a 5 anos, na dependência da área de treinamento. Constam, por determinação da CNRM-MEC, pelo menos 60 horas semanais de atividades teóricas – práticas ( incluindo plantões), com carga horária total de 2.880 horas/ano.

Comissão de Residência Médica – COREME

Presidente: Dr. Carlos Gun

Vice Presidente: Dr. André Feldman

Secretária: Dra. Vivian Lerner Amato

Membros: Dra. Auristela Isabel de Oliveira Ramos

Dr. Ari Timerman

Dra. Magaly Arrais dos Santos

Dra. Marinella Patrizia Centemero

Dr. Nilo Mitsuru Izukawa

Dr. Rodrigo Marques Gonçalves

Coordenador do PRM de Cardiologia Clínica: Carlos Gun
Coordenadora do PRM de Cirurgia Cardiovascular: Antoninho Sanfins Arnoni
Coordenador do PRM de Cirurgia Vascular: Nilo Mitsuru Ikukawa
Representantes dos médicos residentes: Felipe de Oliveira Ramalho

 

Secretaria da COREME
Roseli Campos Sales
Nivea Ap. de Campos Salvarani
Wellington Farias da Silva
Guilherme Freitas
João Marcelo Pereira

 

Secretaria de Aprimoramento e Acordos de Cooperação:
Nivea Ap. de Campos Salvarani
João Marcelo Pereira

Endereço: Av. Dr. Dante Pazzanese,500 6º andar

Telefones: (11) 5085-6099 / (11) 5085-6234 Fax: (11) 5085-6187

E-mail: coreme@dantepazzanese.org.br

Horário de atendimento: segunda a sexta-feira das 09h às 16h

Programas de Residência Médica

PROGRAMAS DE RESIDÊNCIA MÉDICA CREDENCIADOS PELA CNRM (COMISSÃO NACIONAL DE RESIDÊNCIA MÉDICA)

ÁREAS: 1- CARDIOLOGIA – 02 anos

          2- CIRURGIA CARDIOVASCULAR – 05 anos

          3- CIRURGIA VASCULAR – 02 anos

*Pré-requisito de 02 anos Clínica Médica para área de Cardiologia – reconhecido pelo MEC

*Pré-requisito de 02 anos de Cirurgia Geral para área de Cirurgia Vascular – reconhecido pelo MEC

*Acesso Direto em Cirurgia Cardiovascular

Áreas de Atuação (Ano Adicional), Credenciados pela CNRM/MEC

– CARDIOLOGIA PEDIÁTRICA – 2 anos
– ECOCARDIOGRAFIA – 1 ano
– CIRURGIA ENDOVASCULAR – 1 ano
– ERGOMETRIA – 1 ano
– HEMODINÂMICA – 2 anos
– ELETROFISIOLOGIA – 1 ano

Atualização de Cadastro de ex-residentes

Favor entrar em contato no e-mail: coreme@dantepazzanese.org.br

Telefones: (11) 5085-6099 / (11) 5085-6234

Edital

1) CONCURSO SISTEMA ÚNICO DE SAÚDE DAS SECRETARIAS ESTADUAL E MUNICIPAL DO ESTADO DE SÃO PAULO – FUNDAÇÃO CARLOS CHAGAS

SELEÇÃO PÚBLICA PARA RESIDÊNCIA MÉDICA – (realizado anualmente)

ÁREAS: CARDIOLOGIA, CIRURGIA CARDIOVASCULAR E CIRURGIA VASCULAR

Informações: No site da Fundação Carlos Chagas: http://www.concursosfcc.com.br e no site da CRH da Secretaria de Estado da Saúde: http://www.saude.sp.gov.br

Início dos Programas: 01 DE MARÇO DE CADA ANO.

O não comparecimento em 3 dias úteis no Hospital ou Instituição, após o início do Programa de Residência Médica implicará desistência. O MESMO VALERÁ PARA TODAS AS ESCOLHAS.

 

2) CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO PARA MÉDICOS ESTRANGEIROS

O Instituto Dante Pazzanese de Cardiologia realiza anualmente concurso para médicos estrangeiros para realizar cursos nas áreas de cardiologia e cirurgia cardiovascular.

Anualmente inscrições no mês de novembro de cada ano com prova no mês de dezembro, tendo início em 01 de março de cada ano.

Informações: (11) 5085-6099 – (11)5085-6234

E-mail: coreme@dantepazzanese.org.br

Início: primeiro dia útil de março de cada ano.

Número de vagas na área de Cirurgia Cardiovascular: 04 (quatro) vagas

Número de vagas na área de Cardiologia Clínica: 06 (seis) vagas

Pré-requisito: 02 anos de Residência em Clínica Médica

Regimento da Residência Médica

Regimento da Residência Médica do Instituto Dante Pazzanese de Cardiologia

Artigo 1º – A Residência Médica oferecida  pelo  Instituto “Dante Pazzanese” de  Cardiologia (IDPC) tem  como objetivo proporcionar  a médicos condições para aperfeiçoamento técnico-científico, através de treinamento em serviço.

Artigo 2º – A Supervisão dos diversos Programas de Residência Médica (PRM) estará a cargo da  Comissão  de Residência Médica (COREME),   sendo  este  órgão  subordinado à Diretoria Técnica do IDPC e a Divisão de Pós-Graduação Lato e Stricto Sensu.

§1º – A COREME terá mandato de dois anos, permitida a recondução,  e será constituída por no mínimo 7 (sete)  membros, sendo:

I – no mínimo 7 (sete) membros do corpo médico, designados pelo Diretor Técnico do IDPC dentre os quais deverão  ser incluídos o  Supervisor de cada  Programa de Residência Médica;

II –  1 (um) representante  dos Residentes, eleito  dentre seus pares.

§2º – Os supervisores de cada Programa serão eleitos em março de cada biênio de acordo com os critérios estabelecidos pelo Programa.

Artigo 3º – São Médicos residentes os  que se propõem a completar ou aperfeiçoar seus conhecimentos em regime de aprendizagem e dedicação plena e exclusiva, segundo as normas estabelecidas neste Regimento.

Artigo 4º – O Programa de residência será elaborado pelo corpo  Docente   do  PRM,   devendo  todas  as Seções e ou setores do  IDPC  contribuírem quando solicitados.

§1º – A programação deverá ser estabelecida e encaminhada até o dia 30 de novembro de cada ano, para avaliação da COREME.

§2º – Cada Programa será responsável  pela  execução  adequada do seu conteúdo  didático.

Artigo 5º – O número de residentes, do primeiro ano (R1), a serem admitidos anualmente será proposto à COREME de acordo com a previsão orçamentária da Secretária do Estado de Saúde.            

Artigo 6º – Serão admitidos na Residência os candidatos selecionados em  concurso público.

Artigo 7º – As avaliações dos residentes, serão realizadas em cada setor, através de prova  oral, escrita e análise de casos. Será avaliado, o conceito do residente levando-se em conta, a pontualidade, interesse, realização de trabalhos científicos, etc. Duas vezes ao ano, nos meses de julho e dezembro, os residentes de 1º e 2º anos, são submetidos à uma prova geral de conhecimentos específicos de seu PRM. Tal pontuação será utilizada como um dos critérios para a classificação  nas áreas de atuação (R3).

Artigo 8º  – São condições para a promoção e conclusão da residência:

§1º – Ao  ano  subseqüente  à  Residência  só terão acesso os Médicos  que tiverem  sido aprovados segundo critérios estabelecidos pelo respectivo PRM.

§2º – Os critérios de aprovação, basear-se-ão na observação do desempenho profissional e ético do Residente e na análise das aquisições cognitivas realizadas.

§3º – A apresentação de monografia e  trabalho original ou trabalho apresentado em   revista indexada.

§4º – Serão considerados aprovados os Residentes que obtiverem conceito aprovado.

Artigo 9º – O PRM definirá a duração mínima da residência, obedecidas normas da Comissão  Nacional de Residência Médica (CNRM).

§1º – Fará jus ao certificado o Residente que concluir o período de residência regulamentar e for aprovado no mesmo.

§2º – O Residente que  interromper  o  Programa em qualquer de suas fases, fará jus apenas a uma declaração da qual constarão as atividades exercidas até aquela data.

Artigo 10° – Administrativamente, através da  COREME,  os  residentes  estão   sujeitos  ao  cumprimento  de  todas  as  determinações  e  normas  de  funcionamento    do   Hospital e serviços determinados para o programa de residência médica.

Parágrafo único –  Os Residentes são obrigados:

I – a atuar na área oferecida, durante toda a duração  do Programa de residência médica e  cumprir as  determinações que regem suas atividades no serviço que estejam em treinamento;

II – excepcionalmente, a pedido justificado do Supervisor do PRM e por decisão da COREME, visando a complementação  e aperfeiçoamento de seu aprendizado,  poderá o residente ser autorizado a realizar cursos ou estágios em Serviços     fora do Instituto Dante Pazzanese de Cardiologia, respeitando as normas da CNRM.

Artigo 11° – As obrigações e as atividades dos Residentes, em cada PRM serão objeto de  regulamentação e programação estabelecidas pelo respectivo preceptor e aprovadas pelo Supervisor e pelo chefe do Programa, se pertinente.

Artigo 12° – A responsabilidade direta pela atividade do Residente cabe ao Preceptor e ou ao Supervisor do PRM  ao qual ele estiver vinculado.

Artigo 13° – Independentemente da programação de cada PRM os Residentes são obrigados:

I – a cumprir a escala de plantões elaborada pela COREME; e

II – comparecer aos cursos  comuns  e  às  reuniões   científicas  do Hospital, de acordo com as determinações da COREME.

Artigo 14°  – Os residentes terão o direito a férias de 30 (trinta) dias corridos, segundo escala  estabelecida pela COREME, respeitando as normas da CNRM.

Artigo 15° – Os médicos que infringirem o presente regimento estarão sujeitos às seguintes  penalidades:

I – advertência oral;

II – advertência por escrito;

III – suspensão temporária; e

IV – exclusão da Residência

§1º – A pena de  advertência  oral será  aplicada  pelo  Supervisor  do  PRM,  ouvido o respectivo preceptor.

§2º – A pena de advertência por escrito será aplicada pelo Supervisor do PRM após manifestação do respectivo preceptor.

§3º – A pena de suspensão temporária será aplicada pela COREME após manifestação do Supervisor do PRM.

§4º – A pena de exclusão da Residência e de cancelamento da bolsa de estudo serão aplicada pela Diretoria  Técnica   do IDPC pós manifestação da  COREME.

§5º – Serão descontados do pagamento da bolsa de estudo os dias correspondentes à pena de suspensão.

§6º – Nos casos de cancelamento da bolsa  de estudos e da Residência, o pagamento será  suspenso a  partir da data do despacho do Diretoria Técnica  do IDPC;

§7º – As   faltas   aos  plantões  e  às  atividades  programadas,  sem  aviso  prévio   e justificativa aceitável, será considerada infrações graves para efeito de    aplicação  nos   § 3º e  § 4º .

§8º – Em caso de não participação, ou ausência não comunicada, ou justificada por um período igual ou superior a 72 horas, nas atividades regulares do Programa de Residência Médica (PRM), o residente será excluído do PRM após decisão em reunião da Comissão de Residência Médica (COREME), em caráter extraordinário.

§9º – Haverá escalonamento, nas penalidades a serem aplicadas. Entretanto, dada a gravidade da  falta  cometida,  e  desde  que  haja  manifestação  neste  sentido do supervisor  do PRM à COREME qualquer penalidade poderá ser empregada  na primeira infração.

§10º – Todas as  penalidades  serão  consignadas  na Ata  da  COREME registrando-se em seguida no prontuário do residente.

§11º – O residente terá direito de recorrer, por escrito da decisão da COREME.

Artigo 16° – O Instituto  Dante  Pazzanese  de Cardiologia  garantirá  aos médicos  inscritos em   Programas  de  Residência  Médica:

I – alimentação, observadas as normas gerais  de  funcionamento do  Serviço de  Nutrição e Dietética

II – bolsas de estudo cujos valores serão estipulados de acordo com a Lei, no caso de  residentes, e  de  acordo com normas  estabelecidas pela Diretoria do Instituto Dante Pazzanese de Cardiologia nos demais casos;

III – demais benefícios estipulados na legislação pertinente.

Artigo 17° – Os casos omissos serão resolvidos pela COREME e referendados pela Diretoria Técnica do Instituto Dante Pazzanese de Cardiologia.

Regulamento da Comissão de Residência Médica (COREME)

Artigo 1º – A Comissão de Residência Médica (COREME) é um órgão de assessoria direta da Diretoria Geral e da Diretoria de Pós-Graduação Lato e Stricto Sensu do IDPC, e tem por finalidade:

I. assessorar o Diretor nos assuntos pertinentes às atividades de residência médica;

II. coordenar, normatizar e organizar a residência médica do IDPC; e

III. representar e estabelecer intercâmbio entre o IDPC e as diversas instituições e associações envolvidas com o programa de residência médica a nível Municipal, Estadual e Nacional.

Artigo 2º – A COREME é constituída por número variável de membros, a critério da Diretoria Técnica (DT) do IDPC, respeitando o número mínimo de 7 (sete) Médicos e 1 (um) Residente, o qual representa os vários programas de residência médica da Instituição.

§1º – Os integrantes da COREME, e seus suplentes,  serão designados pelo DT dentre os médicos integrantes do corpo clínico do IDPC, por um período de 2(dois) anos, permitida a recondução do cargo.

§2º – O representante dos médicos residentes, e seu suplente, será eleito entre seus pares, com mandato de um ano, permitida uma recondução.

Artigo 3º – Compete à COREME:

§1º – elaborar, ouvidos os encarregados de seção e ou setores, o programa a ser cumprido pelos médicos residentes do IDPC em todos os seus níveis e modalidades;

§2º – fiscalizar o cumprimento do programa referido na alínea anterior, levando ao conhecimento do DT para as providências cabíveis às irregularidades porventura constatadas;

§3º- estabelecer normas e critérios de avaliação dos médicos residentes, e fiscalizar o seu cumprimento, em concordância com as normas estabelecidas pela CNRM;

§4º – estabelecer, a cada ano, o número de vagas dos PRM a serem oferecidas no ano subseqüente, nas modalidades clínica e cirúrgica, respeitadas as disponibilidades de recursos;

§5º – propor, a cada ano, à aprovação da DT, a distribuição nos diversos setores interessados, das vagas de complementação da RM disponíveis (áreas de atuação), para o ano subseqüente;

§6º – apreciar e propor as questões disciplinares e éticas envolvendo médicos residentes remetendo-as à decisão da DT;

§7º – elaborar e aprovar a escala de férias dos MRs e eventuais solicitações de alterações, ouvido(s) o(s) encarregado(s) da(s) seções e ou setor(es) interessado(s);

§8º – fiscalizar a assiduidade e freqüência dos MRs;

§9º – zelar pelo atendimento na medida do possível, das recomendações e normas da Comissão Nacional de Residência Médica (CNRM) e acatamento da legislação estadual pertinente;

§10 – zelar pelo constante aprimoramento técnico, científico e ético dos Residentes;

§11 – zelar pela qualidade e condições de alimentação e estudo oferecidos aos residentes; e

§12 – cumprir todas as demais tarefas relacionadas à residência médica que lhe forem determinadas pelo DT do IDPC;

Artigo 4º – Compete ao Presidente da  Comissão:

§1º – Presidir as reuniões ordinárias e extraordinárias;

§2º – o Presidente será substituído pelo Vice-Presidente em seus impedimentos e ausências;

§3º – representar a COREME na instituição e fora dela sempre que se fizer necessário;

§4º – firmar ofícios, memorandos e documentos relacionados à COREME;

§5º – propor à DT o desligamento e ou a inclusão de membro da COREME;

§6º – delegar tarefas aos membros da COREME; e

§7º – cumprir e fazer cumprir o presente Regulamento.

Artigo 5º  – Compete aos membros da COREME:

§1º – comparecer às reuniões ordinárias e extraordinárias;

§2º – manifestar-se e votar sobre os temas trazidos à reuniões, conforme o caso;

§3º – cumprir as tarefas pertinentes que lhes forem designadas pelo presidente; e

§4º – cumprir e fazer cumprir o presente Regulamento.

Artigo 6º – A COREME reunir-se-á ordinariamente uma vez por mês e extraordinariamente sempre que convocada pelo seu Presidente ou pela maioria simples de seus membros.

§1º – As convocações para as reuniões ordinárias, serão encaminhadas com antecedência mínima de quarenta e oito horas.

§2º – As convocações para as reuniões extraordinárias, serão encaminhadas com antecedência mínima de vinte e quatro horas.

Artigo 7º – Das reuniões será obrigatoriamente elaborada Ata que deverá ser aprovada  na sessão seguinte.

Artigo 8º – As decisões da COREME serão tomadas por maioria simples dos presentes, através do voto aberto.

§1º – Em caráter excepcional, e a seu critério, poderá o Presidente decidir pelo sistema de voto secreto.

§2º – Em todas as votações, o Presidente da Comissão tem direito, além do seu voto, ao voto de qualidade, exceto nas votações secretas.

 

DISPOSIÇÕES TRANSITÓRIAS

Artigo 1º – Os casos omissos serão resolvidos pela COREME e ratificados pela Diretoria Técnica do IDPC.